terça-feira, 25 de agosto de 2015

Refugiados

Ninguém está livre de um dia ter que pagar centenas ou milhares de euros pela sua própria morte. Amanhã podemos ser nós, com o pouco que nos resta, a implorar a um traficante de pessoas que nos deixe entrar num barco frágil, sem o mínimo de higiene, sobrelotado e com total ausência de mantimentos, isto porque a última coisa que temos é a esperança não de viver, mas de sobreviver.
Ninguém está livre de um dia ter que pagar para alimentar bocas que não são suas. Amanhã podemos ser nós a ter que partilhar com estranhos um espaço que é nosso, a ter que contribuir, com o pouco que temos, para que um desconhecido sobreviva, a ter que, de certa forma, condicionar o nosso viver para que outros possam sobreviver.
Nunca digas desta água não beberei. O caminho é longo, podes ter sede.

segunda-feira, 20 de julho de 2015

Galp On

A Galp começou a assediar-me no fim do mês de maio. No que ao gás natural diz respeito eu já era deles, mas eles queriam mais, queriam que a minha eletricidade fosse deles também. Foram quinze dias de pressão alta, de assédio intenso. Não resisti e aceitei. Era uma coisa simples e passados dois ou três dias eu deixaria de pertencer à EDP. Eles tratavam de tudo. Parecia um sonho.
A quinze ou dezasseis de junho mandaram o e-mail com as condições, eu respondi de forma afirmativa ao proposto e fim. Fim mesmo. A Galp desapareceu da minha vida. Nem uma, nem duas. Preocupado, passados uns dez dias e porque recebi a conta da EDP, liguei para a Galp. Informaram-me que efetivamente ainda não era cliente, que um problema tinha evitado que se concluísse o processo, mas que em dois dias, no máximo, isso estaria resolvido. Passados cinco dias volto a ligar para a Galp e confirmo que eu ainda não era cliente. Pediram-me mais dois ou três dias e deram-me a certeza de que o problema seria resolvido e o processo findo. Há uns dias lembrei-me eu da Galp, sim, porque a Galp nunca mais se lembrou de mim, e voltei a ligar para lá. Já tinha passado mais de um mês e eu ainda não era cliente porque um problema impedia que o meu processo fosse concluído. Maldito problema, que ninguém me conseguiu dizer qual era! Dividas não eram, que isso eu perguntei. Garanto!
O certo é que durante estes telefonemas, para além de ter gasto dinheiro, falei com cerca de dez funcionários diferentes e a única coisa que consegui foi dar sem efeito o meu pedido de adesão. Não consegui ser cliente da Galp! Eu tentei, juro. Tudo fiz para lhes entregar a minha eletricidade e não houve maneira.
No fim, e em jeito de desabafo, disse a quem me atendeu, que isto era inédito. O cliente começou por ser perseguido e acabou a perseguir a Galp, sem, contudo, conseguir atingir o objectivo de ser cliente. Ainda dizem que isto está mau, a Galp, por exemplo, recusa clientes. Não os quer!

quinta-feira, 9 de julho de 2015

"Não te preocupes comigo"

Pede-me tudo. Não me peças isso. Agora não. Agora não consigo não me preocupar contigo. Já consegui, infelizmente. É com vergonha que o digo, mas tenho que o dizer. Já preferi um estranho a ti, uma esplanada ao sofá de casa, um copo a um café contigo, um chegar tarde a uma conversa. E foi assim, sempre inconsciente, que muitas vezes te deixei em espera, que te ignorei, que não me preocupei contigo. Desculpa. Tu não merecias, nunca mereceste.
Felizmente o tempo, que pode não curar tudo, mas ensina muito, fez-me aprender a dar-te mais importância. Ainda mais importância. E foi assim, com o crescer dos anos e o amontoar de experiências que se criou a simbiose perfeita. Hoje sinto o que tu sentes, ouço-te mesmo que estejas em silêncio, vejo-te mesmo que estejas ausente. Partilhamos alegrias e partilhamos dores. Estas últimas temos mesmo que as partilhar, mas só porque não me é possível ser egoísta e ficar com elas para mim. Tu não as mereces. Tu mereces é andar de sorriso no rosto, brilho nos olhos e de coração cheio. Tu mereces tudo e vais ter o tudo que mereces. Prometo!

segunda-feira, 15 de junho de 2015

Odjo d'Agua

De Cabo Verde trago muitas coisas. Irei partilhá-las em breve.
Hoje quero ficar só pelo restaurante Odjo D'Agua. Dos mais belos, se não o mais belo que conheci. Digno de um filme de Hollywood, que poderia abrigar mil e uma cenas de amor, de suspense e até mesmo de terror. Ali, sentados de frente para um mar cristalino, viajamos com a mente enquanto o nosso paladar pula de alegria ao abraçar os sabores que ali vivem. Eu escolhi o atum, que foi só o melhor que já comi. É divinal. Quem fôr a Cabo Verde, à Ilha do Sal, tem que ir a Santa Maria ao restaurante, que é também hotel, Odjo d'Agua.
O melhor de tudo é que se come com pouco dinheiro, tendo em conta a qualidade e o cenário. O hotel, pelo que sei, é caro, mas o restaurante não. A minha refeição ficou em vinte euros. Imaginem isto no Algarve, em Lisboa ou no Porto. Quanto pagaríamos?

quarta-feira, 3 de junho de 2015

Manifestação infantil

A Policia de Segurança Pública aproveitou o Dia Mundial da Criança e criou uma espécie de manifestação infantil, com uns pequenos a fazerem-se de polícias e outros pequenos de manifestantes, estes últimos atiravam bolas de papéis aos primeiros. Foi isto. E o país revoltou-se, porque estávamos a incitar as crianças à violência, porque isto não tem pés nem cabeça, porque as fotografias tinham que ser apagadas, porque o autor da ideia devia ser despedido. Enfim, um espectáculo, dentro do próprio espectáculo, como que a querer dizer que aquela brincadeira, que não passou disso mesmo, vai mudar por completo a vida e o futuro dos intervenientes. Estas crianças vão ser a educação que lhes derem e não aquela tarde infantil. Não arranjem desculpas para possíveis e/ou previsíveis falhas no desenvolvimento delas, eduquem-nas.
Portugal está sensível, tão sensível que irrita. Meu Deus!

segunda-feira, 25 de maio de 2015

quinta-feira, 14 de maio de 2015

O gang da Constança

Gostava de poder dar um abraço ao Jorge. Foi um homem do caralho! Achincalharam-no, bateram-lhe, maltrataram-no e ele nem uma lágrima lhes deu. Foi maior que elas e que eles. Muito maior!
A Constança e o gang, gente a quem publicito a cara, só merecem ter uma vida solitária, infeliz, pequenina e sem objectivos. Que sejam mais uns no meio de tantos, mas sem qualquer importância. É o pior que lhes pode acontecer, porque os estalos passam e quando lhos derem vão criar a ideia de que já pagaram pelo mal que fizeram, o que é errado. Devem pagá-lo toda a vida, porque é esse o tempo que o Jorge vai carregar aqueles treze minutos no peito. Toda a vida!
São pais que não têm tempo, que não batem, que não dizem que não, que criam as Constanças. São pais que se lhes perguntarem onde estão os filhos eles não sabem. Não sabem, nem querem saber!
São estes os tempos modernos, onde vivemos no mundo virtual, onde um "gosto" vale mais que um abraço, onde um "remover amizade" substitui uma conversa presencial.
Infelizmente existem cada vez mais Jorges e Constanças, bem mais que os que são tornados públicos. Estejamos atentos, a intervenção de cada um de nós pode mudar uma vida para sempre.

quinta-feira, 7 de maio de 2015

Messi

Fez do Boateng um pião e disse ao Neuer, com o seu pior pé, quem manda afinal. Tudo com uma simplicidade assustadora. Ontem o argentino pintou mais uma obra de arte, outra que será eternizada nos compêndios do futebol. Chocante!

quinta-feira, 23 de abril de 2015

segunda-feira, 13 de abril de 2015