quinta-feira, 31 de março de 2011

Lição

Com o avançar da idade são mais as que levamos do que as que damos!

terça-feira, 29 de março de 2011

Japão, um exemplo.

O terramoto no Japão aconteceu a 11 de Março.
Suspeita-se que os mortos sejam mais de vinte mil.
Um país de rastos, mas em tudo diferente. Acima de tudo na mentalidade.
Esta catástrofe motivou milhões de japoneses a trabalhar na rápida reconstrução do seu país.
Exemplo disso é a reconstrução de uma autoestrada em apenas uma semana. Uma semana!!!
É ver para crer e, acima de tudo, para aprender.
Um exemplo de força, de carácter e de patriotismo.

Pijama do amor

Uma jovem de 18 anos foi passar o fim de semana a casa dos avós.
Quando chega a noite, a moça vai para o seu quarto, despe a sua roupa e deita-se na cama.
A avó entra no quarto e pergunta assustada:
"O que é isso minha neta?"
"Isso o quê avó?"
"Estás sem roupa..."
"Não avó, estou a usar o pijama do amor!" - Responde a jovem.
"Extraordinário!" - Diz a velhinha.
Entretanto o velhinho entra no quarto e vê a velhinha nua.
"O que é isso mulher?"
"Isso o quê, meu velho?"
"Estás aí deitada sem roupa!"
E ela responde:
"Não estou sem roupa, estou a usar o pijama do amor..."
E o velho:
"Pelo menos podias tê-lo passado a ferro!!"

Justin Bieber

Afinal o Justin Bieber não só canta, como também faz de bombo.
Este mundo está perdido. Agora é a mulher que bate no homem por ele negar fogo.
É justo. Há que aceitar este tipo de igualdades.

segunda-feira, 28 de março de 2011

Complexo | Universo Paralelo

Esmagador.
Um filme/documentário a não perder.
É o conhecer de uma realidade pura e dura.
A ficção não existe nesta película. Os actores ficaram à porta desta história. Daí muita da sua beleza.
Não vale a pena procurar palavras que descrevam o "Complexo".
Só vendo me vão entender. Não demorem é muito.

domingo, 27 de março de 2011

Sport Zone

Um amigo meu e uma data que é dele exigiam uma lembrança.
Dirigi-me à Sport Zone para comprar algo que me pareceu perfeito.
Na hora do pagar e do embrulhar começou o sururu.
A empregada chama um colega. Os dois debatem coisas que só eles sabem.
Não foi suficiente. Venha a gerente. Penso que era gerente. Não sei.
O debate era já a três. Um quarto elemento já espreitava. Estaria de prevenção.
Tudo à volta do código de barras e eu sem entender nada do que ali se passava.
A fila da caixa estava cada vez maior e nós, clientes, cada vez mais impacientes.
Passados uns minutos chega o fim do debate e o artigo é finalmente embrulhado.
A funcionária, com um ar super profissional, chega junto de mim e diz: "o senhor importa-se de me dar o seu número do bilhete de identidade?" e eu, espantado, lá lhe ditei os dígitos que ela me pedia. Ela, a da Sport Zone, apontava o meu número do BI num talão já com outros números feitos à mão. Estávamos, portanto, perante um ambiente de alguma tensão.
Quando eu me preparava para lhe perguntar por que raio queria ela o meu número do bilhete de identidade, ela pega no talão onde acabara de escrever o que me pediu, entrega-mo e pede desculpa pela demora.
Com tudo isto carreguei para casa duas dúvidas: qual o interesse de pedir uma informação destas a um cliente? E porque quis ela pôr aquele número num talão que me ia entregar a mim?
Não entendi. Juro.

sexta-feira, 25 de março de 2011

A política portuguesa

Agora que ele já foi acho que já se pode falar.
O país está de patas para o ar. Parece-me a mim que sou um quase leigo nesta matéria da política. Mas também não é preciso ser político para se ter noção de que isto está do avesso, basta ser um comum cidadão deste pequeno rectângulo de terra.
Não sou propriamente fã de políticos, no fundo penso que todos eles são adultos que acreditam que não mamaram o suficiente quando ainda não tinham dentes e só por isso se sentem no direito de continuar a mamar já em idade avançada.
Não vou discutir o adeus de Sócrates ou o olá de Pedro Passos Coelho. Não vou pedir para votarem em A, B ou C. Cada um sabe de si. Quem vota já é, à partida, adulto. Pelo menos à nível de idade.
Eu vou acompanhando tudo, tenho ideias formadas e há duas que queria partilhar convosco. Sem cores partidárias. Por favor.
Eu acho que o Sócrates pode ser um político maravilhoso, mas como pessoa vale muito pouco. Assim, posso afirmar que nunca irei acreditar nele como político ou como salvador da pátria. Nunca.
Dizer que a culpa disto tudo é do PSD é bater no fundo. É campanha, eu sei. Mas uma tentativa de vitimização não é um pouco demais? O PSD ou o CDS ou o PCP tinham que os deixar lá a brincar com o país, era? Não entendi.
Só espero e quero que venha alguém sério, ou minimamente sério, com capacidade e vontade de ajudar este país. Vai ser duro? Vai. Mas impossível não será. Tenho a certeza.
Nós vamos sair desta!

Paulo Futre

Lembrete: não falar com a comunicação social depois das refeições.

quinta-feira, 24 de março de 2011

Google hoje

Adoro a imagem.
O 137º aniversário de Harry Houdini.
Não sei porquê, mas o Google de hoje fascinou-me.

quarta-feira, 23 de março de 2011

O caminho

Só grandes sofrimentos nos permitem grandes momentos.

terça-feira, 22 de março de 2011

OA | 1º Curso de Estágio de 2011

Começou ontem. 21 de Março de 2011.
Esta data marca, de certeza, uma vida. A minha.
O fim de uma espera que começou em 2009. É verdade. 2009.
Houve momentos em que me apeteceu desistir e escolher outro caminho.
Mas porra, é isto que eu quero. Foi sempre isto que eu quis.
Agradeço aos que não me deixaram mudar a trajectória. Do fundo do coração.
Sinto-me completo. Feliz da vida.
Só eu sei o que senti ao iniciar ontem a formação na Ordem dos Advogados. Só eu!
A coisa arrancou com Direito Constitucional e terminou com Deontologia. Gostei especialmente da última.
Sabe bem ter um nome profissional. A minha cara no papel.
É muito bom ter a minha assinatura profissional. O meu carimbo.
Foi maravilhoso conhecer o meu número de cédula profissional. Será meu toda a vida.
Segunda, terça, quarta e quinta formação na Ordem dos Advogados. E o Mestrado. Convém não esquecer o Mestrado.
Vai ser duro, eu sei, mas eu estou aqui para isto, vou aguentar, vou lutar e vou vencer.
Confiem em mim.

Box | Jumbo

O dia era quase o do pai.
A data exigia a compra de uma qualquer lembrança. Útil, de preferência.
Dirige-me à Box, vizinha, e filha, acho eu, do Jumbo.
Sabia o que queria. Foi chegar, pegar e levar.
Na caixa um pedido: "a senhora, por favor, tira-me um talão sem preço? É para oferecer."
Diz-me a funcionária: "tiro sim."
Muito bem. Nada de anormal. O costume.
Depois de me entregar os talões, com e sem preço, deixa-me um aviso: "não se esqueça de trazer o talão com o preço se quiser efectuar uma troca."
A admiração em palavras: "o talão com preço? Então para que serve o talão sem preço?"
Resposta pronta: "eu sei lá... Foi você que me pediu o talão sem preço. Aí nem sequer diz qual o produto!"
Eu conformado: "não entendo, mas tudo bem. Obrigado, sim?"
O adeus: "ora essa, volte sempre."

segunda-feira, 21 de março de 2011

Muamar Khadafi

Kadafi diz que "todos os os líbios estão armados".
A começar por ele, que está armado em parvo.

sábado, 19 de março de 2011

Amo-te, pai!!


O melhor pai do mundo é meu!!

sexta-feira, 18 de março de 2011

Sugestão

O meu aniversário é em Setembro.
O meu Natal é em Dezembro.
Mas se alguém quiser gastar alguns euros comigo já em Março não há problema nenhum. Aqui fica a sugestão. Só compram se quiserem, já sabem disso.

Mais um degrau.

Nome profissional - Cristiano Moreira.
Número de cédula - 34762.

quinta-feira, 17 de março de 2011

Eric Abidal

Porque a vida vai muito para além das quatro linhas de um campo de futebol.

Ao volante

Anda muito disto na estrada.
Não, não é na berma, é mesmo ao volante.

quarta-feira, 16 de março de 2011

Será?

Ardeu o telhado de uma casa de um bairro degradado de Faro.
O que fazem os desalojados?
Gritam contra a Câmara Municipal de Faro.
Porquê?
Não sei.
Pela forma como protestavam eu estava até a pensar se não teria sido o Presidente da Câmara o causador do incêndio.
Querem uma casa nova e mais nada. Aquela não tem, nem nunca teve condições.
Em Portugal é assim. O povo quer uma casa, o povo tem uma casa.
Eu também quero. Será que se eu me deslocar, de forma pouco respeitosa, à Câmara Municipal da minha área de residência e disser que eu, mesmo sem merecer, quero uma casa, eles tratam-me disso?

FMI

terça-feira, 15 de março de 2011

Marrocos | Marrakech

Continua brevemente.

Campeonato RomAno

O campeonato romAno joga-se onde?
Na RomAnia?
Onde ficará a RomAnia?

domingo, 13 de março de 2011

Lembrete

É a vida

Drama, comédia e uma história que pode ser nossa.
Um bom filme. Capaz de misturar lágrimas com gargalhadas.
Vejam!

sexta-feira, 11 de março de 2011

Deus existe!!

Dia 15 de Março, às 17h30, Sessão Solene de Abertura do I Curso de Estágio de 2011.
As sessões de formação terão início dia 21 de Março.
Aleluia, Aleluia. É oficial. Graças a Deus.

Japão

Sismo. Tsunami. Explosões. E sei lá mais o quê.
Tanta desgraça junta. Tantos mortos. Tantos feridos. Tantos desalojados.
A mãe natureza voltou a fazer das suas. Agiu, mais uma vez, sem dó nem piedade.
Por muito que um país esteja preparado para este tipo de situações, e o Japão está, nunca conseguirá fazer frente a uma força desmedida como esta.
A tragédia ganhou o tamanho que ganhou e caiu num país, diga-se, preparado. Não quero nem pensar se acontece uma coisa destas num país não preparado.

神はあなたのすべてを保護します。

quinta-feira, 10 de março de 2011

Dia a dia

Um acordar que custa. Sempre. Todos os santos dias. Seja qual for a hora.
Um pensamento obrigatório e diário: hoje deito-me mais cedo.
Uma cama que me agarra. Com força. Não agarra por agarrar. Sabe o que faz.
Uma lâmina afiada que todos os dias me limpa a cara. Tem que ser.
Um banho quente. Aconchega-me e acima de tudo que acorda-me.
Um vestir programado na noite anterior. Em cima da hora não me entendo.
Um pequeno almoço bom, de mãos dadas com as notícias. Não consigo de outra forma.
Um carro na garagem que está pronto para uma viagem de 15/16 minutos.
Um apito diário a um amigo de sempre. Faz parte.
Uma estrada de duas ou três faixas. Sempre sem trânsito. Sempre.
Uma música que encaixa no meu acordar, no meu estado de espirito, na minha disposição.
Uma outra cidade. A que me recolhe em cinco dias da semana. Às vezes seis.
Um cão deitado. Na esquina. Tem um levantar lento. Eu espero. Ele merece.
Uma senhora que varre a cidade. De colete florescente. Com os fones nas orelhas.
Um louco. De óculos pesados e pretos. O cabelo a apontar para o céu. Um olhar para o nada.
Um senhor à porta do trabalho com um olhar admirado. Parece sempre a primeira vez.
Uma garagem que me guarda o transporte enquanto o dia corre de forma lenta.
Uma rua que leva gente com destinos e objectivos diferentes.
Um atingir o destino. O diário. Onde me sinto em casa novamente.
Um café obrigatório. Virado para o rio que corre sempre forte. O Douro.
Um dia de trabalho. Mais um.

segunda-feira, 7 de março de 2011

Ao telefone no trabalho

"Estou sim, bom dia."
"Olhe, eu estive aí no escritório e ninguém me disse nada""
"Não se importa só de me dizer com quem estou a falar?"
"É a mãe d_ _______!"
"Muito bem! Diga-me lá então o que passa."
"Eu estive aí no escritório e ninguém me disse nada!"
"Desculpe, não entendi. Esteve aqui no escritório e ninguém lhe disse nada? Quando?"
"Agora mesmo! E ninguém me disse nada!"
"Agora mesmo? E quem a recebeu?"
"Sim, estive aí há bocado e ninguém me recebeu!"
"Peço desculpa, deve estar a haver uma confusão qualquer. Se a senhora esteve aqui no escritório alguém a deve ter recebido."
"Não, ninguém me recebeu!"
"Desculpe, mas isso não é possível. Para a senhora entrar no escritório alguém tem que lhe ter aberto a porta, logo alguém a tem que ter recebido."
"Mas eu não cheguei a entrar no escritório!"
"Olhe, peço-lhe desculpa, provavelmente não ouvimos a campainha."
"Mas eu não cheguei a tocar à campainha!"
"Ah! Entendi! Mas diga, de que se trata?"
"Do que se trata? Trata-se de que vou hoje a julgamento e ninguém me diz nada!!"
"Hoje? Não tenho aqui nenhuma indicação disso."
"Pois, mas tenho aqui eu a carta do tribunal!"
"Sim, mas nós também somos notificados pelo tribunal, por isso acho estranho eu não ter aqui qualquer indicação sobre o julgamento."
"Então está bem!! Olhe, mas tenho eu!! A carta está à minha frente e diz aqui que tenho julgamento dia 7 do 4 de 2011 às 13h30!!"
"Desculpe, a senhora disse 7 do 4?"
"Sim, 7 do 4!! Às 13h30!! É daqui a bocado e ninguém me diz nada!!"
"A senhora está a fazer confusão. 7 do 4 não é hoje."
"Ai não??! Então é quando!? Posso saber?!?"
"Pode, claro. 7 do 4 é daqui a precisamente um mês."
"O quê????! Um mês???! Desculpe, mas dia 7 é hoje!!"
"Sim, efectivamente, hoje é dia 7, mas hoje é dia 7 do 3."
"7 do 3??! Não entendi!"
"Eu explico: Janeiro é 1, Fevereiro é 2, Março é 3 e Abril é 4, logo o seu julgamento é em Abril, entendeu? O mês de Março é o 3 e não o 4, o 4 é o Abril."
"Aaaahhh, é capaz de ter razão..."
"Tenho razão sim, fique tranquila. Só por isso ainda não lhe dissemos nada. Não está esquecida, não se preocupe. Precisa de mais alguma coisa?"
"Oh! Agora já não!"
"Qualquer coisa esteja à vontade, ligue ou apareça."
"Tá bem!"
"Tenha um bom dia então. Com licença."

O país enlouqueceu?

Os Homens da Luta venceram o Festival da Canção e agora vão representar Portugal no Festival da Eurovisão.
Este país está louco, não está?

sábado, 5 de março de 2011

Oh Porto a quanto obrigas!

Adesão confirmada.

quinta-feira, 3 de março de 2011

Pediatria

Uma senhora leva um bebé ao consultório de um pediatra. Depois de alguns momentos de espera na sala, mandaram-na entrar no consultório.
Depois da apresentação o médico começa a examinar o bebé e constata que o seu peso está abaixo do normal.
Pergunta então:
"O bebé bebe leite materno ou de biberão?"
"Leite materno", diz a senhora.
"Então por favor mostre-me os seus seios."
A senhora obedece, e o médico toca, apalpa, aperta ambos os seios num exame detalhado.
"Pode tapar-se, se faz favor."
Depois da senhora estar novamente composta, o médico diz-lhe:
"É com razão que o bebé tem peso a menos. De facto a senhora não tem leite."
"Eu sei Doutor! Eu sou a tia, mas gostei tanto de ter vindo!!"

Pode ser que o cemitério seja perto.

Clicar em cima da imagem para ampliar

quarta-feira, 2 de março de 2011

Optimus TAG

Pé ante pé a Optimus vai abusando da minha pessoa. Da minha e de mais umas quantas.
Então não é que agora a mensalidade dura 24 dias?
Foi o que verifiquei ao carregar hoje, dia 2 de Março, o meu cartão TAG. Depois de efectuar o carregamento a que sou obrigado todos os santos meses, recebo uma mensagem que me diz que o referido carregamento me permite efectuar chamadas até ao dia 26 de Março.
Eu ia jurar que mensalidade é uma quantia que, no caso, se paga durante um mês. Um mês!
Pelos vistos na Optimus a mensalidade é outra coisa, é algo que dura 24 dias.
Será que eles pagam aos funcionários de 24 em 24 dias?
Acho, muito sinceramente, que deviam alterar o slogan. Em vez do já conhecido "és tu sem limites", deveriam apostar num "somos nós sem limites".

terça-feira, 1 de março de 2011

À procura de soluções

Era este o tema em debate no programa de ontem.
Fiquei colado ao programa como se de um filme se tratasse. Afinal de contas discutia-se a minha vida. Sim, porque eu faço parte da chamada Geração à Rasca.
Discutiram-se muitas coisas, esgrimiram-se argumentos e acima de tudo ouviram desabafos.
Ontem, enquanto ouvia as duas partes, os que eram a favor dos jovens e os que eram, entre aspas, contra os jovens, fiquei pasmo com a facilidade com que os que são, entre aspas, contra os jovens.
Frases como:
"Têm que emigrar."
"Não têm que trabalhar na vossa área."
"Que soluções têm para este problema?"
"Ganham o dobro do que ganha o comum cidadão."
Tudo isto me deixa a pensar.
Vivo num país em que os problemas são ignorados com uma facilidade assustadora.
Depreendi do debate que afinal a culpa disto tudo é nossa. Nossa porque não queremos os recibos verdes; nossa porque não gostamos da precariedade; nossa porque somos contra os estágios não remunerados, e por conseguinte, contra o trabalho escravo; nossa porque não queremos emigrar; nossa porque queremos trabalhar na área em que nos especializamos.
Afinal de contas é bom trabalhar a recibos verdes, o que implica ausências de direitos; é bom ser licenciados e ganhar 700 ou 800 euros; é bom trabalhar com o nome de estagiário e por isso não receber pelo trabalho feito; é bom é bom emigrar e deixar a família, os amigos, o lar e o país para trás; é bom tirar o curso de Direito, por exemplo, e trabalhar na Pizza Hut.
Tudo isto é bom, sem dúvida, mas é para quem está bem sentado e com um tacho gigante à frente dos queixos.

Coisa linda!

Justificação? Estava com pressa!

A frieza da realidade

Cristian Rodriguez passa por um, passa por dois, passa pelo terceiro e é rasteirado.
Falta perigosa. À entrada da área. Quase noventa minutos e o empate mantém-se.
Trata-se da última oportunidade do jogo. Se der golo, dá a vitória e os três pontos exigidos.
Raul Meireles pega na bola, coloca-a na relva e tira as medidas à baliza.
Eis que apareço eu.
"Raul, deixa-me bater a mim. Confia."
Ele olha-me nos olhos, sorri, diz-me para bater em força e vai colocar-se ao lado da barreira.
Eu pego na bola e acomodo-a para mim. Olho para a baliza e dou meia dúzia de passos atrás. Paro e aguardo pelo apito do árbitro. O estádio está tenso. Os meus colegas olham para mim como se a vida deles dependesse daquele meu pontapé.
O árbitro apita e eu parto para a glória. A bola está a centímetros de mim. Eu vou rematar. Eu tenho a certeza que vou fazer o golo da vitória. O meu pé está quase a bater no esférico.
"Cris, tu não ouves o despertador? Olha as horas! Vai tomar banho, tens que ir trabalhar".
Obrigado mãe. A realidade é tão boa que eu nunca a trocaria por um sonho.