terça-feira, 27 de fevereiro de 2007

O NOVO Classe C - Mercedes

Parabéns à Mercedes.

sábado, 24 de fevereiro de 2007

O rosto da revolta!!

"Um aluno da Universidade Lusíada, no Porto, esteve ontem de manhã barricado numa sala durante mais de duas horas. O homem, de 42 anos, regou-se com gasolina e atirou combustível para o chão e para os sofás da sala de espera onde se trancou, ameaçando imolar-se e pegar fogo às instalações.

Ao que o CM apurou, esta atitude do aluno do segundo ano do curso de Direito, Miguel Mota Cardoso, era um protesto pelo facto de o professor de Teoria Geral de Negócio Jurídico ( Dr. Augusto Meireis ) não atender a um pedido de revisão da nota que obteve no exame. “Teve dez valores e como achava que merecia mais pediu ao professor para rever a nota da prova. Como não teve sucesso fez isto”, disse ao CM um aluno da turma de Miguel.Eram 11h30 quando o estudante se fechou numa sala de espera da Universidade e, exibindo um garrafão de dez litros de gasolina, ameaçou atear o fogo a si próprio e à sala. Ostentava um cigarro na boca e empunhava provocatoriamente um isqueiro na mão. A situação alarmou alunos e professores que chamaram a PSP e os bombeiros. Dada a persistência do aluno, foi pedida a intervenção da Polícia Judiciária. As conversações ocorreram à distância porque Miguel Cardoso quase encostava o isqueiro à gasolina quando alguém se aproximava. O impasse só foi resolvido com a chegada de uma jornalista da SIC, cuja presença foi exigida pelo aluno, para que atestasse o compromisso de revisão do exame que entretanto acordara com os inspectores e professores da universidade. Pouco depois, Miguel aceitou entregar-se, sendo hoje presente ao TIC. "
in Correio da Manhã
O Primeiro de Janeiro
Sol
Diário de Noticias
Diário Digital
Correio da Manhã

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2007

Era só um minuto ...

Jogo entre o FC Porto e a Naval, no estádio do Dragão, dia 16 de Fevereiro de 2007.
Eram quase 20.30h. "As equipas entram em campo, o Futebol Clube do Porto de azul e branco e a Naval de verde", dizia o senhor da rádio.
Eu nem sabia que o meu Porto ia jogar, vinha mais preocupado com uma dôr de dentes que nem sei bem onde a encontrei.
Adiante ... aumento o volume do aparelho, sintonizado na Rádio Renascença. Diz o senhor que fala lá de dentro do meu rádio: "vai-se proceder a UM MINUTO DE SILÊNCIO no Estádio do Dragão, por Carlos Silva, vice-presidente da Federação Portuguesa de Futebol, que faleceu recentemente e a Rádio Renascença vai-se unir a este minuto de silêncio."
Muito bem, coisa rara, quase nunca as rádios respeitam isto, bem como as televisões. Eu surpreendido, embalo nestes 60 segundos de silêncio, que não chegaram a ser bem 60, foram mais ou menos 5 ou 6 talvez ... silêncio no carro, silênico na rádio, silêncio no Estádio do Dragão ... quando uma estrondosa voz, sem dono, se lembra de interromper toda esta homenagem e solta um : "ESTAMOS FODIDOS COM ISTO!!!"
Palavras para quê depois das que foram ditas?!

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2007

Dia dos Namorados

Bom dia dos namorados para todos vós!!

Nota:Nós somos os melhores namorados do mundo ;-) ... e mereciamos estar aqui ... bem relaxados!

Ti amo per sempre bella Ragazza!!

terça-feira, 6 de fevereiro de 2007

Profissão: MULHER DE JOGADOR

As mulheres deles estão no site aqui em baixo, é só clicar!!
http://www.totallycrap.com/galleries/galleries_100_hot_footballers_wives/NL
Boa Viagem!!!

domingo, 4 de fevereiro de 2007

Um ano

Tu és especial!!!!
Obrigado pelo almoço, foi mágico e obrigado acima de tudo por existires e seres só minha!!!!
Contigo...
Do inicio ao fim…

Caí no planeta terra e estava perdido
Vi-te, desejei-te e mantive-me escondido
Procurei-te na multidão e olhei-te sem parar
Tinha vontade de muita coisa mas não conseguia falar
Queria pegar em ti e ter-te só pra mim
Caminhar num horizonte, num horizonte sem fim…
Um dia estava longe e cheguei perto de ti
Estava a 100kms mas parecia que estavas mesmo ali
Aos poucos fui vendo aquilo que eu já adivinhava
Tu eras uma estrela, uma estrela muito iluminada
Lutei muito pra seres minha, era o que eu mais queria
No dia em que me disseste sim, senti mais que alegria
É por ti que eu respiro, por ti dou a minha vida
Dou o corpo e a alma pra te sentires uma mulher preenchida
Tens tudo o que sonhei e até um pouco mais
É como querer ter um barco e depois ter um cais
Quando olho pra ti vejo beleza e um brilho próprio
Ando embriagado de amor e não quero ficar sóbrio
Contigo embalo em sonhos e acordo em realidades
Penso e acredito que somos duas metades
Duas metades que foram unidas com muito amor e carinho
É bom acordar numa cama vazia e saber que não estou sozinho
Por vezes olho pra ti e vejo uma criança indefesa
Mas depois olho melhor e vejo uma princesa
Gostava de te dar o mundo e todo o universo
Mas como não posso digo-te o que sinto em verso
Ti amo per sempre, bella Ragazza!!!!

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2007

Elogio ao AMOR

Há coisas que não são para se perceberem. Esta é uma delas. Tenho uma coisa para dizer e não sei como hei-de dizê-la. Muito do que se segue pode ser, por isso, incompreensível. A culpa é minha. O que for incompreensível não é mesmo para se perceber.Não é por falta de clareza. Serei muito claro. Eu próprio percebo pouco do que tenho para dizer. Mas tenho de dizê-lo. O que quero é fazer o elogio do amor puro. Parece-me que já ninguém se apaixona de verdade. Já ninguém quer viver um amor impossível. Já ninguém aceita amar sem uma razão.Hoje as pessoas apaixonam-se por uma questão de prática. Porque dá jeito. Porque são colegas e estão ali mesmo ao lado. Porque se dão bem e não se chateiam muito. Porque faz sentido. Porque é mais barato, por causa da casa. Por causa da cama. Por causa das cuecas e das calças e das contas da lavandaria.Hoje em dia as pessoas fazem contratos pré-nupciais, discutem tudo de antemão, fazem planos e à mínima merdinha entram logo em "diálogo". O amor passou a ser passível de ser combinado. Os amantes tornaram-se sócios. Reúnem-se, discutem problemas, tomam decisões.O amor transformou-se numa variante psico-sócio-bio-ecológica de camaradagem. A paixão, que devia ser desmedida, é na medida do possível. O amor tornou-se uma questão prática.O resultado é que as pessoas, em vez de se apaixonarem de verdade, ficam "praticamente" apaixonadas.Eu quero fazer o elogio do amor puro, do amor cego, do amor estúpido, do amor doente, do único amor verdadeiro que há, estou farto de conversas, farto de compreensões, farto de conveniências de serviço.Nunca vi namorados tão embrutecidos, tão cobardes e tão comodistas como os de hoje. Incapazes de um gesto largo, de correr um risco, de um rasgo de ousadia, são uma raça de telefoneiros e capangas de cantina, malta do "tá bem, tudo bem", tomadores de bicas, alcançadores de compromissos, banançides, borra-botas, matadores do romance, romanticidas.Já ninguém se apaixona? Já ninguém aceita a paixão pura, a saudade sem fim, a tristeza, o desequilíbrio, o medo, o custo, o amor, a doença que é como um cancro a comer-nos o coração e que nos canta no peito ao mesmo tempo?O amor é uma coisa, a vida é outra.O amor não é para ser uma ajudinha. Não é para ser o alívio, o repouso, o intervalo, a pancadinha nas costas, a pausa que refresca, o pronto-socorro da tortuosa estrada da vida, o nosso "dá lá um jeitinho sentimental".Odeio esta mania contemporânea por sopas e descanso. Odeio os novos casalinhos.Para onde quer que se olhe, já não se vê romance, gritaria, maluquice, facada, abraços, flores. O amor fechou a loja. Foi trespassada ao pessoal da pantufa e da serenidade.Amor é amor. É essa beleza. É esse perigo.O nosso amor não é para nos compreender, não é para nos ajudar, não é para nos fazer felizes. Tanto pode como não pode. Tanto faz, é uma questão de azar.O nosso amor não é para nos amar, para nos levar de repente ao céu, a tempo ainda de apanhar um bocadinho de inferno aberto. O amor é uma coisa, a vida é outra.A vida às vezes mata o amor. A "vidinha" é uma convivência assassina.O amor puro não é um meio, não é um fim, não é um princípio, não é um destino. O amor puro é uma condição. Tem tanto a ver com a vida de cada um como o clima. O amor não se percebe. Não é para perceber. O amor é um estado de quem se sente.O amor é a nossa alma. É a nossa alma a desatar. A desatar a correr atrás do que não sabe, não apanha, não larga, não compreende.O amor é uma verdade. É por isso que a ilusão é necessária. A ilusão é bonita, não faz mal. Que se invente e minta e sonhe o que quiser.O amor é uma coisa, a vida é outra.A realidade pode matar, o amor é mais bonito que a vida. A vida que se lixe. Num momento, num olhar, o coração apanha-se para sempre. Ama-se alguém. Por muito longe, por muito difícil, por muito desesperadamente. O coração guarda o que se nos escapa das mãos. E durante o dia e durante a vida, quando não esta lá quem se ama, não é ela que nos acompanha - é o nosso amor, o amor que se lhe tem.Não é para perceber. É sinal de amor puro não se perceber, amar e não se ter, querer e não guardar a esperança, doer sem ficar magoado, viver sozinho, triste, mas mais acompanhado de quem vive feliz.Não se pode ceder. Não se pode resistir.A vida é uma coisa, o amor é outra.A vida dura a Vida inteira, o amor não.Só um mundo de amor pode durar a vida inteira. E valê-la também.